quarta-feira, 15 de junho de 2011

Loirinha Choramingona

Olá Galerinha do Bem!!!

Hoje trago à história de uma pessoa muito importante para mim, que é a minha amiga de quase 20 anos , minha loirinha Carlinha, que pra mim é um anjo que Deus colocou em minha vida e eu o agradeço todos os dias por este descuido.
Eu vi de perto sua luta contra o vício e a depressão e sei o quanto foi dificil e ainda é, lutar contra estes males, mais através de tudo isto pude perceber o quanto ela é forte e guerreira , pois mesmo se sentindo no fundo do poço ela conseguiu ter forças para sair dele e me orgulho muito dela pela luta e pela sua fé adquirida durante este tortuoso caminho. Espero que apreciem suas singelas palavras.




Meu nome é Carla e gostaria de compartilhar a minha história de vida com vocês.
Há 28 anos atrás mais precisamente no ano de 1982 eu nasci; com 1 ano de idade eu tive uma pneumonia muito forte e fui internada no hospital particular, com o passar dos dias eu ia ficando mais doente e mais frágil e os meus pais decidiram transferir eu para o hospital das Clínicas de SP onde o médico solicitou uma cirurgia de emergência pois o meu caso era grave, eu estava com edema pulmonar e este mesmo anjo disse aos meus pais que se eu ficasse mais um dia internada eu não teria sobrevivido, essa foi a minha primeira luta contra a vida e daí pra frente tive que enfrentar outros obstáculos.
A minha segunda batalha foi quando eu tinha por volta dos meus 15 aos 16 anos de idade, onde eu tive uma depressão profunda, me sentia a garota mais infeliz  e por esse motivo não tinha vontade de sair de casa  e por muitas vezes tive idéias de suicídio, nessa época eu não me amava e não amava a Deus, mal sabia que mesmo assim ELE me amava muito e não permitiu que eu fizesse esse ato contra mim mesma. Essa doença foi o meu segredo porque para todos eu estava ótima mas no fundo eu não tinha vontade de viver; para piorar a  depressão eu acabei me envolvendo com um rapaz que eu amava muito e ele era usuário de drogas e eu sofria junto com ele de vê-lo poucos a poucos consumido pelo vício e pelas minhas tentativas em vão de tira-lo das drogas.
Eu era uma adolescente quando me envolvi com a bebida alcoólica, acreditava que era a única maneira de esquecer os meus problemas e de fugir da tristeza  onde eu ficava “alegrinha” e voltava a sorrir, porém, uma ilusão. O meu relacionamento acabou mas eu superei bem, mas eu tinha muitos problemas familiares principalmente com o meu pai. Os meus pais nunca foram contra o meu vício, ao contrário, comecei beber em casa, tomando restos de cervejas e vinhos deixados pelos amigos dos meus pais.  
Os meus pais brigavam muito, nunca soube o que era um lar feliz, somente nos meus sonhos eu fantasiava isso, porque a realidade era outra. Eu acabava entrando nas brigas dos meus pais e sempre defendia a minha mamãe que eu amava muito e não sei por que motivo eu tinha um ódio muito grande do meu pai, onde acabou levando as nossas brigas diárias. Foi um período muito difícil, eu já tinha os meus 21 anos e brigávamos muito, cheguei ouvir do meu pai que eu não era filha dele, porque filha não faz o que eu faço, hoje sei que fui muito malcriada e desrespeitei muito o meu pai.
Mas sempre fui uma boa filha, tive boas notas, nunca me envolvi com coisas erradas, sempre fui uma moça decente e estudiosa, realizei um dos meus maiores sonhos que foi me formar em biomedicina e sei que isso foi um grande orgulho para o meu pai.
Infelizmente, os meus pais se separaram há 4 anos atrás, mas confesso que muitas vezes eu rezava pedindo pra que eles separassem pois viviam um inferno e eu e minha irmã sofríamos juntos com as brigas deles.
Hoje eu tenho 28 anos, aprendi a dar valor para a minha vida e com os erros do meu passado, em relação ao meu pai estamos em fase de adaptação, eu e ele se perdoamos e a medida do possível se falamos, saímos juntos para passear, afinal pai a gente só tem um e não é eterno então aprendi que eu tenho que valorizá-lo enquanto ele está vivo e também todos cometemos erros, quem sou eu para julgá-lo.
O que fez eu mudar bastante foi com certeza a maneira de olhar a vida, de enxergar os problemas e com certeza a fé em Deus de que toda provação que passamos tem um lado positivo. Eu ainda bebo socialmente, mas com responsabilidade e com limite, sabendo a hora certa de parar para não exagerar e não magoar as pessoas que me amam muito e que só querem o meu bem.
Esqueci de mencionar que todas essas fases ruins que passei somou para ser  quem sou hoje, e principalmente, não estaria hoje contando a minha história se não fosse o apoio dos meus amigos – os anjos – em minha vida que estavam sempre me apoiando com palavras amigas e que me ajudaram muito.
BY Carla Mazzuco Ferreira

Todos podemos superar os obstáculos que a vida nos traz, basta ter muita força e fé , com estes dois ingredientes será difícil o desânimo e a tristeza se apossarem do seu coração. Eu sei que não é fácil, mais é possível e só depende de cada um  encontrar sua força e fé interior e utilizá-la para vencer qualquer dificuldade, e  uma forma de limpar nossos corações é desabafando, e agradeço a todos que utilizam este nosso cantinho para faze-lo.

Bjs e Flores à todos!!

Deka


8 comentários:

  1. É isso ai, Deka. Com força de vontade e muito carinho dos amigos, tudo pode ser enfrentado de cabeça erguida!

    Ótimo o relato da sua amiga Carla. Espero que ela prossiga nessa reaproximação com seu pai. Isso é muito importante. E que se veja segura, em paz, consciente de sua força.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá José, fico feliz que tenha gostado, e eu torço para que ela consiga cada vez mais esta aproximação, pois todos merecemos ter a presença de nossos pais, mais o que as vezes não percebemos é que a gente precisa dar o primeiro passo para que isto ocorra, e a Carla já deu este passo e isto está sendo a chave para um novo relacionamento com seu pai, e me orgulho muito por poder acompanhar toda esta trajetória, obrigada pelo comentário e carinho, bjs no coração. Deka

    ResponderExcluir
  3. Olá, Deka.
    Realmente uma triste e bela historia. O bela fica por conta da superação.
    Infelismente não existem manuais que nos ensinem a sermos bons pais ou filhos. Este aprendizado vem com a vida e nunca é fácil.
    Mas, que legal que tua amiga teve amigos que a ajudaram. Anjos que "aparecem" em nosso caminho.
    Parabéns às duas, bjs.

    ResponderExcluir
  4. Se eu contar a minha vida pro carroceiro, pode ter certeza de que o Burro chora de pena... rs
    Já passe e passo por poucas e boas.

    Mas é isso. Fé em Deus e em si mesmo. São os principais para superar os problemas que a vida nos propõe. Ela, a vida, nos desafia todos os dias. E nós temos que ficar "espertos" com ela.
    Mas é muito bom saber que a Carla soube aproveitar tudo o que a vida propôs a ela e aprender com isso. A maioria se joga num abismo, muitas vezes sem volta.
    Eu dou os parabéns para ela e a você pelo blog.


    obrigada por me seguir.
    =D

    bjinhos
    Nina

    ResponderExcluir
  5. Olá Gisa, seria muito bom se junto com os filhos viessem um manual de como criá-los, pois realmente não é fácil esta tarefa, eu só pude compreender algumas atitudes de meus pais após ser mãe e hoje os respeito e os amo mais que tudo com seus defeitos e qualidades.E a Carla está tentando conhecer as qualidades de seu pai e dar oportunidade à ele para se aproximar, mais o primeiro passo já foi dado e tenho certeza que eles vão se entender cada dia mais, obrigada pela sua presença e comentário, super bj. Deka

    ResponderExcluir
  6. Olá Nina, todos passamos por vários desafios, faz parte do aprendizado, mais é como você disse com fé em Deus e em si mesmo podemos superar os obstáculos, obrigada pela sua presença, e meu blog está a sua disposição quando quiser compartilhar alguma das suas histórias, bjs e flores. Deka

    ResponderExcluir
  7. Ler esas coisas, Deka, me dói o coração. O meu maior receio é que minha filha um dia se envolva com vicios e/ou pessoas indevidas, pq hoje, eu sei, que só no mundo do faz de contas ela é realmente feliz. A separação dos pais tem sido muito traumatica, não consigo fazer com que o pai dela entenda que ter uma boa atitude será melhor do que pagar analistas. Existe, claro, o lado pessoal de cada um, se é fraco ou não, se vai ou não seguir o bom ou mal caminho. Eu imagino o sofrimento desta moça.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá Sissym, realmente nós que somos mãe sofremos com histórias assim, e no caso da Carla eu acompanhei todo seu sofrimento e acabei sofrendo junto, pois somos amigas à 20 anos, mais ela conseguiu ter forças para superar os vícios e conseguiu perdoar o pai , e agora está em fase de aproximação e está sendo muito lindo tudo isto, quando me desespero ouvindo histórias assim, através dela percebo que é possível superar e sair dessa , e isto já acalma um pouco meu coração aflito de mãe de duas meninas, obrigada pelo seu comentário, e saiba que qualquer que seja sua dificuldade neste momento tenho certeza que você tem força suficiente para superá-la, grande bj no coração. Deka

    ResponderExcluir